Consumo de água na América Latina depende da proteção de florestas, alerta FAO

“As árvores filtram a água, aumentam os níveis de umidade no ar e a incorporam mais profundamente na terra”, afirma representante da Unidade Florestal da ONU

Embora o desmatamento na América Latina e no Caribe tenha registrado quedas consistentes nos últimos anos, a região ainda é a que concentra os maiores índices de perdas de áreas de florestas – e isso impacta diretamente na disponibilidade de água para consumo. O alerta foi dado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em atividade realizada no Chile no último dia 21, em comemoração ao Dia Internacional das Florestas e da Árvore.

De acordo com dados divulgados pela organização, entre 1990 e 2000, a região perdia, em média, 4,5 milhões de hectares de florestas por ano. De 2010 a 2015, as perdas caíram para 2,18 milhões de hectares por ano. Ao mesmo tempo, Caribe, Chile, Costa Rica e Uruguai apresentaram extensão das terras ocupadas por florestas, que antes eram dedicadas ao agronegócio. Apesar dos avanços, a região mantém médias de desmatamento acima das taxas globais, o que ameaça ciclos hídricos.
“A água e as florestas estão inteiramente ligadas”, explicou o representante da Unidade Florestal da agência da ONU, Jorge Meza, durante o evento. “As árvores filtram a água, aumentam os níveis de umidade no ar e a incorporam mais profundamente na terra.”

Segundo a FAO, América Latina e Caribe concentram 29% das precipitações do planeta e 23,4% da área florestal, recursos estratégicos para a segurança alimentar e a geração de serviços ecossistêmicos.   

Consumo e mudanças climáticas

Segundo a FAO, nas três últimas décadas, a extração de água duplicou na região. Em média, o setor agrícola (em especial, a agricultura irrigada) foi responsável por 70% do consumo, enquanto o uso doméstico responde por 20% e indústria, por 10%.

Diante do aumento do ritmo de consumo, considerado superior ao do restante do mundo, a organização também alerta para a possibilidade de escassez em um futuro próximo, causada pela redução das florestas e pelas mudanças no clima.

“As mudanças climáticas afetam a saúde e a qualidade das florestas e a disponibilidade de água, sendo que este efeito é ampliado pela degradação dos solos devido à expansão das áreas de cultivos em locais não apropriados e a intensificação da produção e do uso inadequado de insumos agrícolas”, explicou Meza.

Tags: 
Crédito da Foto: 
Domínio público
Data e hora: 
29/03/2016 13:45 2016