Encontro da Rede WEG conta com presença da empresa

Representante da WEG recebe documento da rede

O terceiro encontro da Rede Sindical WEG contou, pela primeira vez, com a participação de representantes da empresa. Realizado entre os dias 14 e 15 de abril na cidade de Jaraguá do Sul (SC), o evento, que teve o apoio do Instituto Observatório Social (IOS), também reuniu 21 lideranças sindicais de 11 sindicatos da CNQ/CUT, da CNM/CUT e CNTM/Força Sindical. A atividade é parte do projeto Promoção dos Direitos Trabalhistas na América Latina, apoiado pela central alemã DGB. 

A consolidação do diálogo social entre a empresa e a rede sindical foi um dos objetivos do encontro. Como parte deste processo, a representante da empresa apresentou a política de sustentabilidade da WEG, baseada em três eixos: econômico, ambiental e social. Segundo os participantes, há pontos de convergência entre os compromissos da empresa e as demandas da rede.

 Nesse sentido, os trabalhadores formalizaram a solicitação para que a direção da WEG reconheça a Rede Sindical e participe da construção de um diálogo periódico, reforçando que ele é uma ferramenta que pode contribuir com a aplicabilidade e monitoramento dos Compromissos da Política de Sustentabilidade publicados pela empresa.

 Outro ponto debatido foi o rápido crescimento da WEG nos últimos anos e a sua política direcionada para o mercado externo. A empresa tem investido na aquisição de plantas no exterior, tornando-se um das companhias brasileiras mais globalizadas atualmente. No seu plano estratégico, denominado “2020”, a empresa tem como meta empregar 50 mil funcionários, a maior parte fora do País — o que reforça a importância da rede como ferramenta de organização sindical capaz acompanhar e responder aos desafios da globalização. “Entendemos que os trabalhadores e trabalhadoras através dos seus respectivos e legítimos representantes podem e devem contribuir diretamente por serem parte interessadas neste processo”, reforça o documento entregue pela Rede à direção da WEG. De acordo com as discussões do encontro, a proposta de tema do segundo Diálogo Social é Saúde e Segurança no Trabalho, tema relevante para os trabalhadores(as) e para a empresa.

Diálogo social também faz parte da rede de trabalhadores da Braskem

Criada em 2000, a Rede de Trabalhadores e Trabalhadoras da Braskem também iniciou diálogo social com a empresa. O processo aconteceu em evento organizado pela rede em fevereiro e que, pela primeira vez, contou com a participação de um representante da Braskem para os debates. O encontro foi realizado entre os dias 20 e 21 de fevereiro em Salvador (BA).

O objetivo foi debater proble-mas dos trabalhadores do segmento, em especial no que se refere à internacionalização da Braskem e os efeitos para seus trabalhadores. Na programação do primeiro dia esteve o debate sobre saúde e segurança. Questões como pagamento do extraturno, participação em lucros e resultados e efetivo mínimo compuseram a pauta para o segundo dia.
Para o coordenador da rede, Marcondes Machado, a presença de representantes da empresa no evento é um avanço e motivo de comemoração. “A rede está se consolidando. No ano passado, fizemos um encontro praticamente na mesma época e escrevemos uma carta que elencava as demandas apresentadas pelos trabalhadores e trabalhadoras. A carta foi entregue na sede administrativa da Braskem que, neste ano, está pela primeira vez participando junto conosco do evento”, comemora.
A rede de trabalhadores e trabalhadoras da Braskem surgiu a partir de debates iniciados no ano de 2000 sobre a reestruturação patrimonial da indústria petroquímica no Mercosul. A partir da análise do cenário da época e de eventos realizados até 2003, o movimento sindical identificou a necessidade de organizar os trabalhadores da empresa em uma rede capaz de legitimar suas demandas e de fazer com que suas vozes fossem ouvidas pela empresa

Crédito da Foto: 
Divulgação/IOS
Data e hora: 
16/04/2014 17:00 2014