Projetos

Atualmente, o Instituto Observatório Social está à frente/participa das seguintes iniciativas:

Plataforma de Índices de Desenvolvimento Regional

Fruto de parceria entre o Instituto Observatório Social, a CUT e o Dieese, esta plataforma unifica índices de desenvolvimento nas cinco regiões do Brasil e em todos os Estados. A plataforma permite explorar dados e fazer análises comparativas. Entre os dados disponíveis estão perfis regionais, indicadores econômicos e sociais, liberdade sindical e negociação coletiva, dados sobre trabalho decente, trabalho escravo e conflitos no campo. A plataforma também permite a exploração de mapas interativos com os principais temas do estudo de desenvolvimento regional. 
Confira em www.observatoriosocial.org.br/desenvolvimentoregional

 

Ação Frente às Multinacionais na América Latina

Desde 2000, a CUT busca promover e fortalecer redes sindicais. O projeto, iniciado com o nome de CUTMulti, em 2011 ganhou um reforço: passou a ser apoiado pelo centro de formação DGB BW e a se chamar Projeto Promoção dos Direitos Trabalhistas na América Latina. Desde o início, ele é gerido pela CUT em parceria com Instituto Observatório Social, a CNM/CUT e a CNQ/CUT. Em 2015, o projeto passa a ter como foco a internacionalização de redes sindicais na América Latina. Também passa a incluir dois novos ramos: vestuário e construção civil. E ganha um novo nome: Ação frente às Multinacionais na América Latina.
Saiba mais em www.observatoriosocial.org.br/cutdgb

 

InPACTO

O InPACTO, lançado em maio de 2014, nasceu com o objetivo de fortalecer, ampliar e dar sustentabilidade às ações realizadas no âmbito do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Fazem parte do Comitê Gestor do Pacto a OIT, o Instituto Ethos, a ONG Reporter Brasil e o Instituto Observatório Social.
Saiba mais em www.inpacto.org.br

 

RedLat

A Rede Latino-Americana de Pesquisas em Empresas Multinacionais (RedLat) é uma iniciativa criada em outubro de 2005 e que reúne sindicatos e instituições de pesquisa sobre o mundo do trabalho de sete países da América Latina – Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru, México e Uruguai. O objetivo é aprofundar o conhecimento acerca do comportamento social e trabalhista das empresas multinacionais e transformar essas informações em subsídio para mobilização da sociedade e para a ação sindical.
Saiba mais em www.redlat.net