CUT participa de entrega de Manifesto Pela Paz na Venezuela

Na sexta-feira, 4, a Central única dos Trabalhadores (CUT) participou do ato de entrega do Manifesto pela Paz na Venezuela ao Cônsul-Geral da Venezuela em São Paulo, Roberto Torrealba. O documento foi entregue por integrantes do  Comitê Brasileiro Pela Paz. “A solidariedade é o caminho para a paz e a integração”, afirmou Torrealba.

Também presente na entrega do manifesto, o Diretor Administrativo-Financeiro do Instituto Observatório Social (IOS) e Secretário Adjunto de Relações Internacionais da CUT, Ariovaldo de Camargo, afirmou que a Central segue junto na luta pela democracia e pelos direitos das trabalhadoras e trabalhadores da Venezuela. 

Leia abaixo o manifesto:

MANIFESTO PELA PAZ NA VENEZUELA

O povo venezuelano, livre e soberano, retomou em suas mãos o poder originário, elegendo massivamente representantes para a Assembleia Nacional Constituinte.

Mais de oito milhões compareceram às urnas, apesar do boicote e da sabotagem de grupos antidemocráticos, em um processo acompanhado por personalidades jurídicas e políticas internacionais que atestaram lisura e transparência.

Todas as cidades, classes e setores estão presentes, com seus delegados, na máxima instituição da democracia venezuelana.

A Constituinte é o caminho para a paz e a normalidade, para retomar o caminho do desenvolvimento e da prosperidade, para superar a crise institucional e construir um programa que reunifique a pátria vizinha.

De forma pacífica e democrática, milhões de cidadãos e cidadãs disseram não aos bandos terroristas, às elites mesquinhas, aos golpistas e à ingerência de outros governos.

Homens e mulheres de bem, no mundo todo, devem celebrar esse gesto histórico de autodeterminação da Venezuela, repudiando as ameaças intervencionistas e se somando a uma grande corrente de solidariedade.

Também no Brasil se farão ouvir as vozes que rechaçam a violência e a sabotagem contra o governo legítimo do presidente Nicolás Maduro.

Qual moral tem um usurpador como Michel Temer para falar em democracia, violando a própria Constituição de nosso país, ao adotar posições que ofendem a independência venezuelana?

O Brasil não pode passar pela infâmia de se aliar a governos que conspiram contra uma nação livre e se associam a facções dedicadas a tomar o poder de assalto, apelando para o caos e a coação.

Convocamos todos os brasileiros e brasileiras à defesa da democracia e da autodeterminação de nossos irmãos venezuelanos, ao seu direito de viver em paz e a definir o próprio destino.

Repudiamos as manobras de bloqueio e agressão que estão sendo tramadas nas sombras da Organização dos Estados Americanos (OEA), sob a batuta da Casa Branca e com a cumplicidade do governo golpista de nosso país.

 

Denunciamos o comportamento repulsivo dos meios de comunicação que manipulam informações e atropelam a verdade, para servir a um plano de desestabilização e isolamento.

Declaramos nossa solidariedade ao bravo povo de Bolívar. Sua luta pela paz também é nossa.

COMITÊ BRASILEIRO PELA PAZ NA VENEZUELA

São Paulo, 01 de agosto de 2017.

 

*PRIMEIRAS ADESÕES

Receberemos adesões individuais e de organizações somente por e-mail (paznavenezuelabr@gmail.com) até o dia 08 de agosto de 2017.

ORGANIZAÇÕES:

1. Articulação brasileira dos movimentos sociais da ALBA

2. Brigadas Populares

3. Campanha Brasil Justo para todos e para Lula

4. Central de Movimentos Populares – CMP

5. Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB

6. Central Única dos Trabalhadores – CUT

7. Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz – Cebrapaz

8. Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé

9. Centro de Estudos e Pesquisa Ruy Mauro Marini

10. Coletivo Poder Popular

11. Conselho Mundial da Paz – CMP

12. Consulta Popular

13. Coordenação Nacional de Entidades Negras – CONEN

14. Democracia no Ar

15. Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC

16. Fundação Perseu Abramo

17. Instituto Astrojildo Pereira

18. Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

19. Levante Popular da Juventude

20. Marcha Mundial de Mulheres – MMM

21. Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB

22. Movimento dos Pequenos Agricultores - MPA

23. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST

24. Movimento pela Soberania Popular na Mineração – MAM

25. Partido Comunista do Brasil – PCdoB

26. Partido dos Trabalhadores – PT

27. Rede De Médicas e Médicos Populares

28. Sindicato dos Arquitetos

29. Sindicato dos Bancários de Santos

30. União Brasileira de Mulheres – UBM

31. União Brasileira dos Estudantes Secundaristas – UBES

32. União da Juventude Socialista – UJS

33. União Nacional dos Estudantes – UNE

 

Fonte: CUT Brasil

Crédito da Foto: 
Arquivo Pessoal
Data e hora: 
08/08/2017 16:15 2017
Data: 
08/08/2017 2017